Banca dinheiro digital e novos meios de pagamento

ENQUADRAMENTO

Os montantes das transações em dinheiro digital, incluindo em moeda virtual, sem ligação a um cartão de crédito ou de débito, são já muito significativos. Na Suíça, os caminhos de ferro massificaram o uso da bitcoin, tendo vários países influentes iniciado uma trajetória de enquadramento legal das criptomoedas. Porém, por agora o dinheiro virtual é largamente desconhecido da maioria da sociedade e dos agentes económicos, colocando assim a criação de riqueza a partir de Portugal em desvantagem comparada.

A alvorada do dinheiro digital é uma manifestação real da (r)evolução digital e da importância da blockchain. No sector bancário as alterações determinadas pelo digital têm impacto em toda a cadeia de valor e sujeitam à condição de obsolescência conceções e padrões de negócio há muito vigentes. Um domínio em que este impacto é mais intenso é o dos métodos de pagamento, marcado pelo surgimento de novos métodos, entre os quais os pagamentos móveis (m-payments), as moedas digitais (digital currencies), e as moedas virtuais (virtual currencies).

O IFB, considerando que todas estas novas realidades dão origem a riscos que importa compreender e ponderar devido ao impacto na confiança na sociedade, nos comportamentos dos clientes, no modelo de negócio, matrix de risco e proposta de valor – essencialmente, nas vertentes da proteção dos consumidores, da prevenção do branqueamento, da evasão fiscal, do financiamento do terrorismo, em especial perpetradas através do cibercrime – propõe este Workshop pensado e desenvolvido por Nuno Sampayo Ribeiro, tendo como objetivos a subida na cadeia de valor no sector financeiro, antecipar oportunidades e prevenir perigos e criar referências estáveis para a gestão dos novos desafios da atual fase de transição e mudança.

OBJECTIVOS

  • Examinar o que é o dinheiro digital e os novos meios de pagamento
  • Estabelecer a relação com o processo de transformação digital
  • Proceder ao enquadramento institucional e legal
  • Analisar numa perspectiva de risk intelligence o impacto estratégico e operacional do dinheiro digital no sector bancário, na proposta de valor e no controlo interno de fluxos financeiros ilícitos
  • Perspetivar tendências de evolução

DESTINATÁRIOS

  • Profissionais da banca de todas as áreas, envolvidos na conceção ou prestação de serviços financeiros ou com interesse no acompanhamento da evolução das condições de operação;
  • Quadros de outros setores envolvidos no comércio/investimento internacional, fintech ou na gestão de risco a partir de Portugal.

PROGRAMA

Vertente I - Entender a economia digital

  • O que é a economia digital?
  • O que é a cashless society?
  • Qual é a relação com a economia reputacional?


Vertente II - Impacto do digital na atividade bancária

  • Clientes: o que muda nos comportamentos e expectativas?
  • Meios de pagamento: quais são os principais benefícios e desvantagens?
  • Prestadores de serviços bancários: qual a dinâmica no sector/modelo de negócio?
  • Economias e mercados: quais são as oportunidades e desvantagens?


Vertente III – Dinheiro digital e novos meios de pagamento

  • O que é o dinheiro digital? E o dinheiro virtual?
  • Quais são os novos meios de pagamento?
  • Oportunidade para subir na cadeia de valor?
  • Qual o desafio para o controlo interno na ótica da prevenção do branqueamento, da evasão fiscal, do financiamento do terrorismo, e do financiamento da proliferação e armas de destruição em massa?
  • Qual é a relação com o cibercrime?


Vertente IV –  Casos de estudo

  • Casos de estudo selecionados
  • Qual é a mensagem de fundo?


Vertente V – Enquadramento institucional e legal

  • Quais são as prioridades da agenda internacional e europeia
  • Quais os aspetos preponderantes da legislação portuguesa, europeia e internacional?
  • O que mostra a comparação de outras experiências nacionais com a portuguesa?


Vertente VI – Perspetivas e Tendência de Evolução

  • Qual a importância para reconstruir a confiança no sector bancário?
  • O que mostra a evolução em curso em economias e empresas preponderantes?
  • Quais são as prioridades de organismos internacionais e de alguns países influentes?
  • Como vão interagir banca digital, novos meios de pagamento e cibercrime?
  • Qual a relação com a economia reputacional e as boas práticas financeiras?
  • Qual a relação do dinheiro digital com a finança inclusiva, em especial em África, e com a responsabilidade social corporativa?

ORADORES

Nuno Sampayo Ribeiro é advogado, especialista em Direito Fiscal (O.A.) e professor convidado do IFB-Instituto de Formação Bancária.
Como especialista na internacionalização económico-financeira, patrocina e aconselha diversas entidades na definição de gestão do risco legal e reputacional, em especial o inerente às novas questões colocadas pela cooperação nacional, internacional e europeia nos domínios da transparência, integridade, estabilidade, segurança nacional e do dinheiro digital.
A sua experiência profissional inclui: consultor técnico da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (Comissão de Orçamento e Finanças, Assembleia da República), IBFD Research Associate, Americas Department (Amesterdão); delegado nacional, OECD Forum on Harmful Tax Competition (Paris); membro da Comissão de Estudo da Tributação das Instituições e Produtos Financeiros (Conselho Superior de Finanças).
É licenciado em Direito, tendo-lhe sido outorgada a Fellowship in International Taxation pelo IBFD – International Tax Academy com ensaios sobre a criação e o funcionamento de centros financeiros internacionais.

DATA

20 | setembro | 2017

 

LOCAL

IFB – Instituto de Formação Bancária

Lisboa: Av. da República, 35 - 8º

 

HORÁRIO

09h00 – 12h30
13h30 – 17h00

DURAÇÃO

7 horas

INSCRIÇÕES

O número de inscrições é limitado, pelo que serão aceites por ordem de chegada. A realização deste Workshop fica dependente do número de inscrições e da respetiva confirmação pelo IFB.

INFORMAÇÕES

Av. da República, nº35 – 8º, 1050-186 Lisboa, Portugal